Coluna Livre com Hermano Henning

0
82

Não há notícia alguma no portal da Câmara de Vereadores na internet. Mas tem algo acontecendo ali que é de extrema importância e o público precisa saber. O Promotor Público de Guarulhos, Cláudio Sergio Alves Rodrigues, entrou com uma ação civil pública contra o Município e, por consequência, a Câmara Municipal, requerendo “procedimentos concretos para sanar a questão pendente” do prédio da antiga Tapetes Lourdes, na Vila Augusta, comprado em 2016 para abrigar o poder Legislativo. O preço pago pelo povo de Guarulhos foi de 14 milhões e 800 mil reais. O prédio, apesar de amplo e bem localizado, estava em péssimas condições, precisando urgentemente de uma reforma geral para ser utilizado.

Quatrocentos mil

A princípio, a compra da velha fábrica de tapetes se mostrou positiva pois no final representaria uma economia considerável para os cofres públicos. Segundo informa o promotor Rodrigues no processo, a Câmara paga um aluguel mensal de quatrocentos mil reais todos os meses pelo prédio da rua João Gonçalves. E tão logo a mudança para a Vila Augusta fosse efetivada, o Município usaria esse dinheiro para outros fins. Só que o tempo passou e a mudança pretendida não aconteceu. O prédio não recebeu a reforma e se encontra abandonado.

Coluna Livre com Hermano Henning

O presidente da Câmara, Professor Jesus, revelou há poucos dias numa entrevista, que pretende resolver o problema no final do ano que vem. Beleza. Coincide com o final do mandato dele. Isso indica, aqui entre nós, que o assunto pode ser empurrado com a barriga. E a solução fica para o próximo presidente.

A estratégia, se é que existiu, furou. O Ministério Público está de olho na história.

Tem um outro detalhe: em maio termina o contrato de locação, este dos quatrocentos mil. O proprietário quer renovar por mais dois anos. É uma belíssima grana. Quatrocentos mil, segundo o promotor. Pouco mais de trezentos mil, segundo a administração legislativa.

A ação corre na 1ª Vara da Fazenda de Guarulhos. Basicamente requer “procedimentos concretos” para o assunto ser resolvido mostrando preocupação com a “inércia do legislativo”. O Juiz Rodrigo de Aguirre Camargo atendeu o Ministério Público, com exceção de uma multa diária de mil reais para os responsáveis enquanto não se resolvesse o problema. A questão da multa ficou pendente. Não se sabe como os vereadores reagirão diante dos fatos. Hoje tem sessão…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.